A Intimidade do Casal e o bem-estar da Família

A Bíblia diz: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher,  e serão ambos uma só carne”
(Gênesis 2;24).

A originalidade da intimidade matrimonial fica bastante explicitada no citado texto bíblico, podemos através dessas palavras sugerir que Deus projetou o homem e a mulher para o relacionamento, ou seja, para a intimidade. Mas essa intimidade transcende à sexual. Ela vai muito além, é o ápice do relacionamento.
Antes de qualquer outro comentário, vamos destacar que intimidade não pode ser compreendida como sinônimo de atividade sexual, segundo o dicionário [Michaelis – online], intimidade é 1.Qualidade de íntimo. 2 Amizade íntima, relações íntimas. 3 Familiaridade.

Quando o texto diz “apegar-se-á à sua mulher”, Deus autoriza o homem separar para si, apenas uma esposa, e logo ele diz: “e serão ambos uma só carne”, destaca-se aqui a importância da intimidade na vida conjugal.
Ser “uma só carne” é viver a dor do outro, e alegrar-se com a alegria do outro, e mais, é ter intimidade de espírito.

Certo dia passeávamos em um shopping na companhia de amigos. Eu seguia à frente com os homens e as mulheres vinham um pouco atrás. No meio de todo o tumulto onde todos conversavam muito alto e, diversos sons se confundiam, eu, mesmo de longe, consegui detectar a voz da minha esposa. Voltei e perguntei: “você falou meu nome?”. Todos se espantaram. Isso é intimidade, aquela voz no meio da multidão era íntima para mim.

É natural que ao longo dos anos, com a falta de manutenção no casamento, muitos casais percam a intimidade natural que Deus nos ensinou. Mas ela é de extrema importância para a relação entre homem e mulher.
Os cônjuges precisam ter sensibilidade ao ponto de detectar a voz do outro no meio da multidão. O cheiro, o toque, o olhar, as palavras, todas essas ações precisam ser treinadas diariamente pelo casal.

A construção de uma estrutura de intimidade no lar passa pela capacidade do casal em reinventar seu relacionamento todos os dias com grandes e pequenos gestos. O maior vilão contemporâneo do casamento é ausência de intimidade comunicacional, os conjugues rompem seus sensores de comunicação mútua e com isso o outro passa a ser estranho, e como vimos no dicionário, intimidade tem como base estruturante amizade, relacionamento e familiaridade.

A família precisa ser íntima de si mesma. Pais e filhos precisam ter intimidade, e mais que isso, ter confiança. Se os filhos não confiam em seus pais, certamente existirão outros que serão íntimos dos seus filhos criando uma lacuna perigosa na relação familiar.

No capítulo 2, versículo 25 de Gênesis, diz que “ambos estavam nus, o homem e a sua mulher; e não se envergonhavam”. Vejam que a intimidade de Adão e Eva era tanta que eles não se envergonhavam de sua nudez. Com isso aprendemos que para o relacionamento manter-se saudável, é necessário despir-se de toda e qualquer vergonha e dar lugar à intimidade, à luz da palavra de Deus, pois somente assim teremos famílias íntimas de si mesmas e íntimas com o Senhor Jesus.